A vida é uma escola?

Por Rosiane Braga
Foto: Wolff

Brincar de bete, jogar queimada, pique-esconde, pula elástico, elefante colorido. São tantas brincadeiras que me relatam que eu não sei citá-las. Essas e outras formas de diversão eram comuns há algumas décadas atrás. O mundo evoluiu e com elas as “brincadeiras” das nossas crianças. Porque brincar de boneca se por meio do computador eu posso ir até a Disney e conversar com a Minnie? A evolução tecnológica é favorável, desde que seja controlada. A criança pode ir além da Minnie e conversar com o lobo mau que diz gostar de vovozinhas. E o final desta história nem sempre é um final feliz, porque os “lenhadores” viraram servos do mundo capitalista.

A mídia, ao mesmo tempo, que vende a marca, alerta os pais todos os dias. E olha que não é apenas um alerta. Os meios de massa mostram fatos reais que aconteceram e que você não quer vê, ou não admite que a próxima vítima possa ser o seu filho. Um assunto complicado de expor idéias, mas que deve ser pensado. As brincadeiras das crianças de baixo nível social são muitas vezes mais saudáveis do que daquelas que ganham vídeo-game e armas coloridas. Não é porque são das favelas que todas aprendem a atirarem com armas de verdade. Elas brincam nas ruas, aprendem a dividir e cativar amizades. Loucura minha? Não mesmo! Isso existe.

Onde eu quero chegar? Na tal da criação! Dizem que se conselho fosse bom era vendido. Esse post não pode ser considerado um conselho. Apenas mais uma das questões da sociedade que apenas passa aos olhos de muitas pessoas. PAI? Você mesmo que vive na correria e não sabe o que acontece com os seus filhos, PARE E PENSE! Se você não ensina a vida ensina e cuida pra você, só que do jeito dela! Aponta caminhos, mas se você não o der uma BOA CRIAÇÃO, nem sempre os caminhos que irão escolher são os melhores. Agora você me pergunta o que seria uma boa criação? Este pode ser o tema para um outro dia!

Boa Semana a todos!
Beijos coloridos...



Comentários

  1. Olha... aquele "ou não" me permite ler estes texto aqui, muito bons por sinal... vim retribuir a visita lá no 'ao remetente' e encontrei este texto aqui. Muito bom! Um resgate! Remete a lembranças muito vivas de todos nós... Outra hora eu volto aqui! bj6

    ResponderExcluir
  2. Belo texto.
    As crianças da minha família, brincam no computador, mas também brincam de boneca, pular corda, peteca, etc...

    Um grande abraço, amiga Rosiane.

    ResponderExcluir
  3. Nós veremos daqui a alguns anos o resultado desta geração "de apartamento", que não larga o videogame ou computador. As brincadeiras antigas estimulavam o coletivo e ainda o movimento e a interação das crianças ao ar livre. A maneira com que elas irão tratar suas relações interpessoais no futuro é uma incógnita pra mim!

    Abraços,

    Fernando C. Salgado.

    ResponderExcluir
  4. Messias,
    Amapola e
    Fernando!
    Obrigada pela visita...
    Abraço Amigo! ;)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Carmen Steffens apresenta linha de chinelos

Kim Kardashian na capa da ‘Harper’s Bazaar’

SP Fashion Week N44: Osklen

Sandálias da Ipanema ganham novas cores

Conheça os danos da maquiagem vencida