Romance Moderno

Por Rosiane Braga

Foto: José de Almeida & Maria Flores/ André Max

Seria Sarcasmo iniciar este post, ao qual eu intitulo de “Romance Moderno” recitando “O amor é fogo que arde sem se ver” do soneto de Luís de Camões. É que quando se escreve de amor, tarefa que considero muito subjetiva e que divergem opiniões, a mente fantasia para fatos platônicos e com aroma de flores. Prefiro citar trechos da composição de Newton Gomes, ao relacionar a palavra que se presta a múltiplos significados na língua portuguesa. “E nem tudo são flores nem tudo é amor, ás vezes a dor cala o meu prazer”, diz o compositor. Intrepretações variadas ao trecho, mas que desmistifica a idéia de que com amor a paz sempre reinará.

Revistas conceituadas demonstram que a cerimônia denominada casamento, ainda esta entre as realizações mais desejadas dos brasileiros. Além do que, é mais um álbum fotográfico para a coleção. No Romance Moderno, “o contrato social” é o principal documento da união. Muitas vezes já o desejam assiná-lo antes até do famoso e do não mais tão esperado SIM. Porque não ter um contrato? Segundo Rousseau, é ele que garante os direitos da coletividade. O casal se torna os mais novos sócios. One moment please! Agora você me pergunta se continua lendo o mesmo texto. Não estávamos falando de casamento? De Romance?

O que eu quero dizer aqui é que a condição humana ou seria mais apropriado um certo jogo de interesse é a base para enigmáticos relacionamentos atuais. Situação reconhecível principalmente quando por parte do casal alguém realmente envolve sentimento. A pessoa é levada a um jogo de hipnose por ter um coração apaixonado. E isso não está em quadros de excessões não! Quase que posso dizer que as circunstâncias do romance moderno de que eu falo estão generalizadas. Seria exagero da minha parte?

Os próprios enredos dos filmes desta geração agregam de forma geral histórias de que as relações a distância ou por meio de redes sociais, estabelecidas em formas de contrato são as mais duradouras do que aquelas em que as pessoas dividem o mesmo espaço diariamente. Não sei falar se casamento é bom porque nunca casei, mas pode-se mencionar que o vínculo entre duas pessoas nem sempre envolve amor, ternura e respeito. Não se amam mais como antigamente, pois a formação de um vínculo emocional com o outro, que seja capaz de receber este comportamento amoroso e enviar os estímulos sensoriais e psicológicos necessários para a sua manutenção e motivação foram substituídos por um acordo de vontades com cláusulas contratuais. Que Pena!

Comentários

  1. Olá Rosiane...esse negócio de amor/casamento casamento/amor é bem complicado pois a convivência é complicada.....acho que para o amor do começo continuar florescendo, as pessoas têm que saber respeitar o espaço do outro, antes de serem dois, são um, então primeiro o respeito individual depois a troca....aí sim será um afeto infinito e gostoso...não somos donos dos outros, nem mesmo sendo um casal....
    Adorei seu blog....beijos!!!

    reginadecoupage.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá, Rosiane. Tudo está mudando mesmo. Já não se manda masi flores para a mulher amada, como antes na história desse país, desse mundo. Prefiro como era antes. mais romantismos, a mesma casa, a mesma cama. Sou dessa geração.
    Gostei muito de sua crônica, da maneira como escreve.É uma sonhadora realista
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Marcelo Nogueira Campos12 de setembro de 2010 10:25

    Acredito mesmo que o ser humano acabou por banalizar, por inúmeras justificativas, o tema amor. Mas ainda acho que mesmo nesse emaranhado de interesses, ainda há espaço para o bom e velho método de amar. O perigoso é quando passamos a encarar a situação tão bem escrita em seu post, como algo natural, sem que possamos mover uma palha para mudar o curso da história. Podemos sim sonhar com as velhas formas de se demontrar o amor!
    Texto, como sempre, bem escrito e fundamentado.
    Abraços!!

    ResponderExcluir
  4. -Na minha concepção deveriamos mesmo era procurar assinar contrato com a felicidade.[E observar a cláusula mais importante do contrato - SINTA a vida - para adquirir os direitos acima citados (que direitos? O da condição para ser feliz)] O ser humano vem esquecendo de SENTIR e infelizmente ao contrário do que diz aquela comunidade do orkut: " Eu te amo" está virando BOM DIA. =/
    Acho seu blog muito interessante Rosiane. Gosto de ler suas postagens. (Embora demore um pouco a escrever, rsrs) Obs: O que é bom prende e faz falta.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Homem e mulher são dois universos paralelos e paradoxalmente convergentes.
    Não são clausulas de contrato que irão preservar as relações, e sim a busca do entendimento destes universos.É necessaria a viagem interior do autoconhecimento e aceitação dos potenciais e limites, para depois se abrir aos relacionamentos.
    O amor acontece na relação alma/alma, ambas abertas, sem armas, sem pre conceitos, sem defesas.Ele não mudou, mudaram-se as pessoas. O imediatismo atual requer que as pessoas venham prontas, de acordo com perfis estabelecidos e codigos de barra. Não acredito que de certo.
    bjo

    ResponderExcluir
  6. Quando se fala do amor e casamento de antigamente, é preciso nao esquecer que ele ainda existe. o MEU ja foi ha uns aninhos e continua melhor que nunca.
    Por isso estou cá para contrariar.
    Agora que os jovens estao a estragar a essencia do amor, até pode ser verdade.
    Um bj

    ResponderExcluir
  7. "O homem não morre quando deixa de viver,

    mas sim quando deixa de amar."

    Charles Chaplin

    Gostei do blog, das reflexões...
    bjo
    http://carlosvalenca-arteempalavraseimagens.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Meu blog mudou de endereço, o novo é:
    http://vemcaluisa.blogspot.com/
    :)

    ResponderExcluir
  9. Verso Liso
    João Lenjob

    Quero apreciar teu corpo como uma escultura
    E de perto realizar atento toda uma leitura
    Desvendar os segredos
    Passear com os meus dedos
    E evitar que despertes ou que mexas.

    Quero sentir teu caule feiticeiro
    E respirar contente o teu aroma
    Tão perfumado o verso liso me entontecerá
    E teu pescoço chamará, clamará o meu carinho
    Para que meus lábios acompanhem por toda a noite.

    Quero sorrir para teu corpo com uma enorme fissura
    E estudar tamanha arte e tão nobre a tua cultura
    E viajar em teus cabelos
    Abraçar-te em nossos apelos
    Até que mexas me puxando para mais perto.

    Quero abraçar tua cintura fascinante
    E enlaçar meus braços entre teus braços
    Tão apertado o verso liso em meu peito
    Para que chames, clames pelo meu amor
    E que meu corpo te acompanhe por toda a madrugada.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Carmen Steffens apresenta linha de chinelos

Kim Kardashian na capa da ‘Harper’s Bazaar’

SP Fashion Week N44: Osklen

Sandálias da Ipanema ganham novas cores

Conheça os danos da maquiagem vencida