Alegria ou a falta dela?

Por Rosiane Braga
Fotos: Hugo Tinoco/ Joana Silva/ Jet/


Todas as vezes que me questionam como caracterizo o estilo do ser humano, sempre respondo que sou a favor do livre arbítrio e que todos nós vivemos como queremos. Como bem define nossos ilustres compositores Almir Sater e Renato Teixeira, “Cada um de nós compõe a sua história, cada ser em si, carrega o dom de ser capaz, e ser feliz”. No convívio com as pessoas pode-se afirmar que muitas delas aparentam expressões e modos que não as definem. Surge então o questionamento, existe alegria exacerbada ou a falta dela?




Sei que tentar entender a subjetividade humana é a tarefa mais complicada e enigmática que eu possa questionar, mas já parou para pensar até que ponto as atitudes humanas podem chegar? Nunca julgue uma pessoa pela aparência! Essa é a famosa frase que ouvimos desde quando a retiram dos saquinhos de bons modos para formação de caráter. Não é viagem em palavras, mas para facilitar a compreensão é como se fosse às palavrinhas mágicas que pregam no jardim de infância. Isso funciona? Seria ousadia de minha parte dizer que isso é muito simples e todos aprenderam a lição.

Mas por que mesmo que as pessoas muitas vezes utilizam melancias na cabeça? A primeira resposta que surge é que é para aparecer. Não seria excesso de felicidade ou porque a pessoa é extrovertida? Você é livre para escolher se quer viver com tatuagens e alargadores ou de salto alto e terno o dia todo. E isso o define a partir do meio em que escolhe para viver. Só assim a sociedade impõe seus modos, mas isso sempre de acordo com as suas escolhas.

As pessoas têm mania de julgar o outro partindo de pressupostos construídos pela aparência física. E qual seria a outra aparência? Calma, gente, que essa eu já vou responder. Onde que entra aspectos como compreensão, coleguismo, sinceridade, idoneidade, amabilidade? Princípios como esses não contribuem para expressões serenas? Alguém consegue enxergar esses aspectos na berruga do nariz ou na cor do meu cabelo? Se você consegue definir uma pessoa por lacrimejar os olhos ou quando a beija se seu pé direito levanta, parabéns você anda assistindo muitos filmes.

São essas e outras subjetividades da vida que ninguém fala pra você e que você não tem tempo para parar e pensar. Procure compreender o outro. A sua falta de paciência pode estar naquele meio que você convive todos os dias e que vêm acompanhada de um medo da tal transformação, que você culpa o ascensorista do elevador por falar bom dia todos os dias ou no porteiro que só usa camisa xadrez. Se a pessoa demonstra de maneiras inusitadas que estão bem, aceite-as. Já se perceber que está na procura de atenção e na busca de um espaço, ajude-a. A sua tarefa é a busca pela percepção, só assim poderá compreender o outro e melhorar suas relações com os indivíduos. Não ser igual a você, não é ser diferente!

Comentários

  1. Lindíssimo texto, Rosiane!
    Concordo em gênero e grau com você.
    Beijinhos.
    Ah, essa é amusica tema e lema da minha vida: Tocando em frente

    ResponderExcluir
  2. É, Rosiane, um dos grandes enigmas da vida: a compreensão. Compreender o outro. Ok. Mas, compreender o quê? De que forma? Em que situações? Sob quais critérios? Para quê?
    Complicado amiga, complicado... bjsssssss

    ResponderExcluir
  3. Para mim a ideia chave está na "busca pela percepção" que eu resumiria na palavra "respeito". A percepção das diferenças e semelhanças deve ser lida com respeito por opiniões divergentes das suas. A compreensão do outro na sua completude é essencial para desenvolvermos uma vida social saudável.
    Ótimo texto como sempre!
    Um beijo e boa semana!

    ResponderExcluir
  4. Querida Piedade,
    Porque não vivermos sempre tocando em frente, não é mesmo!

    Marli Borges,
    Concordo com você, talvez a tarefa mais difícil é mesmo decifrar essa tal subjetividade, compreender o quê mesmo?

    Gisa,
    Sua presença por aqui me alegra,
    uma ótima semana a você tb.

    Beijos coloridos!

    ResponderExcluir
  5. Só para mulheres? Talvez não. Gostei do teu blog. Abraços!

    ResponderExcluir
  6. A. Reiffer,
    seja bem-vindo ao meu blog.
    Obrigada, Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Adidas lança filme inspirado em obras famosas

‘Vanity Fair’ e as estrelas de Hollywood

Lana Del Rey na capa da ‘V Magazine’

Carmen Steffens apresenta linha de chinelos

Ensaio nu de Madonna aos 20 anos é divulgado