Indecisão

Por Rosiane Braga
Fotos: Magda Rosa/ Iris/ Carla Teixeira

O dicionário define: estado emocional em que a pessoa é submetida por não fazer logo uma escolha. São raras as vezes que a vida te dá apenas um caminho. Já pensou nisso? Questiono sempre como seria sem graça a vida se tivéssemos somente a estrada de flores para percorrer. E como seriam as paisagens e as pedras? Querendo ou não o número dois domina. E o pior de tudo é quando a gente cresce e percebe que já somos responsáveis pelos nossos atos e que na hora que você engasgar, sua mãe não vai estar lá para pegar o microfone e pedir a sua mão para cantar junto com você.

Saudades da infância, não sei! Mas uma responsabilidade que pesa a cada dia e não te larga mais. Sempre refiro aos seres que somos submetidos a conviver no cotidiano como PESSOAS e pessoas. Já escrevi aqui e não tem como não repetir que o homem em si é uma caixinha de surpresas. E tentar uma boa convivência com PESSOAS é o calo do sapato. Para um bom entendedor, meia palavra basta, mas o problema é que atualmente a tomada de decisão deve vir acompanhada de análise do comportamento humano. Difícil não! Como entender uma caixinha de um mágico, se assim posso considerar como a mesma coisa, onde sai de tudo e mais um pouco.

Viver é difícil, mas entender o ser humano é muito mais. Um dia de cara amarrada, no outro de sorriso na orelha e já no outro um grito de bom dia. Acho que o segredo mesmo é não dizer nada até que seja perceptível qualquer manifesto de estado emocional. Não acha? Ado, Aado cada um no seu quadrado? Só para melodias mesmo, porque hoje em dia ninguém vive sossegado, até as bolhas estão sendo incomodadas por mosquitos. Como eles conseguem entrar lá? Ainda estão estudando o caso. Hora, Hora, Hora pra decidir aquilo é só na hora.

A tal da psicologia da personalidade nos denomina todos os dias, com questionamentos de comportamento real. Tenho para mim que não tem como mais complicar o que já é complicado. O que a vida te prega vai além de comer laranja ou maçã, escolher um tênis ou o outro, casar ou fazer uma viajem e comprar frango ou uma bicicleta. Como poderia ser tão simples assim! A consciência grita de lá, NÃO É. Se eu aumentei mais ainda a sua indecisão, desculpe não foi a minha intenção. Mais uma coisa eu te falo, quando acertamos, ninguém se lembra, mas quando erramos ninguém esquece. Afinal eu admiro as pessoas que decidem sair com um par de tênis diferenciado. Vamos com eles, abrace o que preenche os braços e não dê moral se te dizem que você é o tipo de pessoa indecisa. Argumente que a única tentativa que não vale é aquela que a gente não tenta.

Comentários

  1. Esse é o ser humano... Um ser complexo e apaixonante!
    Gostei daqui, apesar de ser proibida minha entrada!Risos
    Já te sigo!
    Bjss

    ResponderExcluir
  2. Esse texto serve de reflexão para vida.
    Lindo! Parabéns!

    Beijos

    Iram

    ResponderExcluir
  3. Olá, Rosiane... tudo bem?
    Realmente, nossa vida é um eterno aprendizado e uma escola. Aprendemos diariamente com lição em cima de lição.
    Mas, afinal, este é o bom da vida!
    Bjs e te sigo.
    EDU (http://edurjedu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Quantas vezes me apetece ser o louco
    Ser diferente e romper o definido
    Quantas vezes vivemos tão pouco
    Por sermos iguais ou meros fingidos?

    Gostei de seu espaço e dos textos que me fizeram reflectir.

    ResponderExcluir
  5. Rockson,
    não é proibida não, bem-vindo ao blog,a inserção do, ou não? no nome do blog foi intencional para dirigir-se tanto ao público feminino quanto o masculino.

    Iram,
    Edu e
    Jortas,
    Satisfação imensa em tê-los aqui.
    Sigo-os.
    Beijos coloridos.

    ResponderExcluir
  6. É através das indecisões que nós crescemos....Quando somos garotas, jovens, podemos agir tendo a segurança da rede dos nossos pais, contudo, a nossa personalidade já se destaca...Apesar de me sentir bem com o apoio dos meus pais, sentia-me feliz com a "independência" que sentia....Depois veio o casamento e era outra maneira ( para mim, doce) de ter uma "rede" de apoio, embora financeiramente fosse sempre independente! Há onze anos que o Senhor o levou da minha companhia e aí, tanta coisa, mas tanta, que tive de decidir sózinha sem perguntar a opinião de ninguem! E cresci, apesar da dor e da saudade!
    Sinto-me orgulhosa das decisões que tenho tomado e como realmente sou capaz de "tomar conta" daquela garota que eu fui!!
    Beijocas
    Graça

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Carmen Steffens apresenta linha de chinelos

Kim Kardashian na capa da ‘Harper’s Bazaar’

SP Fashion Week N44: Osklen

Gig Couture lança parceria com a C&A

Demi Lovato e Nick Jonas para a ‘Billboard Magazine’