Universidade do crime

Por Rosiane Braga
Fotos: Retiradas do Google.com

Não é segredo para ninguém a forma que os encarcerados vivem nas cadeias. A situação é exposta todos os dias pelos meios de comunicação de massa. Pessoas que são afastadas da sociedade com o objetivo de pagar pelos atos criminosos e se tornam na prisão seres enfurecidos tomados pelo desejo de vingança e verdadeiros profissionais da criminalidade. Tudo isso, porque são tratados como seres irracionais, feras enjauladas, subnutridos, doentes e sem nenhuma assistência. Mesmo pelo fato de que se o preso está na cadeia é porque algo de errado cometeu isso não motiva a viverem em tais condições, que só provoca a revolta. 

Em uma única cela, abarrotada de pessoas encontra-se sentenciados que cometeram crimes diferenciados, mas que juntos compartilham “técnicas” e “táticas”. O que aprende na prisão? Como mostra os filmes, muitas vezes reflexo da realidade, alguns presos que ainda esperavam recuperar da prática do crime, são obrigados dentro dos presídios a seguir a maioria, que obedecem as ordens de um determinado comandante. Acredito que a rigidez prisional e o tratamento desumano é o que provoca a formação de grupos que se organizam para protestar as condições que vivem, ocasionando as rebeliões.

Onde fica a aplicação da política carcerária? Na verdade, a prática é outra e é advinda de pessoas, na maioria das vezes, despreparadas para a tarefa. Sabe-se que são muitos os problemas carcerários e que esses elementos vivem em uma situação infernal. Preso, antes de tudo, é um ser humano! O problema é que enquanto os governantes não colocar o assunto em questão como prioridade governamental, ela vai continuar e se tornar cada vez mais complexa. As soluções existem, basta aprimorar o sistema carcerário e a aplicação de suas políticas. Modificar ou criar leis que revê prisões e garante liberdade de indivíduos até julgamento, só aumenta o problema e o risco para a sociedade.

"A nova lei, 12.403, nada mais faz que enfatizar o que já se extrai da Constituição Federal brasileira, que garante que 'a liberdade é a regra, a prisão é a exceção'". Azevedo, Promotor de Justiça

Comentários

  1. Oi Rosiane,
    Ótimo texto, amei, vc está coberta de razão, nosso sistema carcerário é um caos, nossas leis foram mal elaboradas e estão desatualizaadas, sempre deixam brechas onde advogados se aproveitam pra livar os que tem poder e grana e os demais, pobres mortais, estão a mercê de uma situação precária, celas cheias, falta higiene, alimentação decente, espaço, falta tudo, falta principalemnte dignidade, dividem juntos as celas presos de maior peruculosidade e outros nem tanto, a cadeia se torna automaticamente uma pós graduação em criminologia.
    Para essa situação mudar é preciso ensinar uma profissão para o presopara que ele possa se integrar a sociedade após esse período, é preciso ocupá-lo culturalmente e com trabalhos de mannutenção do próprio espaço. E mais que tudo é preciso educar e dar condições ao povo brasileiro para que eles não precisem nem sequer chegar a prisão.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi Rosiane. Os presos são tratados como animais, e animais selvagens. A dignidade humana vai pro espaço nas prisões brasileiras. O pior é que quando um desses homens saem da prisão, estão piores do que quando entraram.

    ResponderExcluir
  3. Prezada amiga
    Hoje vim lhe agradecer pela sua linda e carinhosa presença lá no meu cantinho, através de um simples selinho, 300 seguidores , feito com muito carinho.
    Agradeço-lhe de todo o coração!
    Abraço amigo!
    Maria Alice

    ResponderExcluir
  4. Adorei seu cantinho... e gostaria que seguisse Meus pensamentos... neste blog tem reflexões minhas e também falo sobre beleza (interna e externa) Por favor tem como seguir? http://blogmdcs.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SP Fashion Week N44: Osklen

Sandálias da Ipanema ganham novas cores

Carmen Steffens apresenta linha de chinelos

Conheça os danos da maquiagem vencida

Vestidos elegantes na cor preta, a partir de R$69,90