Gentileza

Por Rosiane Braga
Fotos: Retiradas do Google.com

Ando depressa, mas percebo que as pessoas ainda praticam atos de cortesia com os outros. Na maioria das nossas conversas aqui no blog, sempre menciono o individualismo do ser humano nos dias atuais, mas algumas atitudes observadas comprovam que amabilidade, bom tratamento e fidalguia fazem parte da vida de muitos. Muitos indivíduos argumentam que não realizam alguma atividade solidária por não terem tempo, só que na verdade não percebem que a todo o momento podem praticá-la em situações do cotidiano. Gentileza depende de hábito! A partir dele, você começa a perceber que a cordialidade passar a ser uma tendência comum.

A ajuda a pessoa idosa é muito incentivada, mas muitas vezes mostrada apenas em comerciais de televisão. Pessoas pra lá e pra cá, ninguém tem tempo de parar e guiar o bom velhinho na faixa de pedestre, com as sacolas ou fazem caras e bocas quando eles exercem o direito de atendimento prioritário nas filas. Precariedade do transporte coletivo é fator comum em todas as regiões do país, os que utilizam esse meio de transporte realmente precisam dele. A questão de ceder os lugares aos idosos, gestantes ou deficientes físicos também causa murmúrios, por mais que são amparadas por lei deve existir a consciência de que essas determinadas pessoas não estão na mesma condição que os demais.

O buzinaço é a canção de todos os dias. Todo mundo quer chegar primeiro, se o trânsito não anda algo aconteceu, não adianta apertar o botão da buzina. Os motoristas só param na faixa de pedestre se a pessoa praticamente enfiar na frente do carro ou muitas vezes nem esperam o pedestre terminar de atravessar. Ah, mais tenho horário marcado, isso não é justificativa para passar por cima de ninguém. Todos são cientes de que antecipação faz parte do bom andamento das coisas e evita a fadiga. Há, mais falar é fácil!. O grau de dificuldade das coisas é imposição de cada um. Já parou para pensar nisto? 

Bom, mas de todas as situações que foram citadas aqui, afirmo que existem exceções. Vejo que algumas pessoas estão com paciência de ouvir os outros. Nem que seja uma conversa momentânea, estou ouvindo muitas conversas por ai. Os objetos caídos também estão sendo devolvidos, o compartilhamento das sacolas, a famosa empurradinha no carro e a volta das palavrinhas mágicas no vocabulário das pessoas. São tantas situações que noto persistirem, mas que não vem à tona para referência. Talvez seja isso que falta, perceber gestos de fraternidade que colaboram com a nossa elevação moral. É possível fazer muita coisa, mesmo porque gentileza não quer dizer fraqueza e sim virtude.

Comentários

  1. Concordo com você! Se as pessoas percebessem que a gentileza pode estar presente em todas atitudes, principalmente nas mais simples, o mundo seria bem melhor!
    Belo texto!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Roseane!
    Tens feito um trabalho maravilhoso,
    e mereces todo o respeito e admiração.
    Gostei demais de seu bolg,fiz um passeio
    proveitoso e agradável por aqui.
    Estou muito honrada em te ver em minha galeria.
    Um abraço carinhoso
    vera portella

    ResponderExcluir
  3. Thaís Surgik, obrigada pela presença aqui.
    Vera Portella, grande abraço pra você também.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Carmen Steffens apresenta linha de chinelos

Kim Kardashian na capa da ‘Harper’s Bazaar’

SP Fashion Week N44: Osklen

Conheça os danos da maquiagem vencida

Gig Couture lança parceria com a C&A