O olhar de um analista

"A contaminação da política brasileira e o que emperra o crescimento do país"

Estamos com problemas... E quando me refiro a algo que é necessário resolver (problema) e utilizo um pronome oculto nós é porque realmente todos os brasileiros serão afetados com o mesmo. Situação desconhecida e desinteressada pela maioria da sociedade e que o americano Norman Gall, diretor executivo do Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial avalia. Números revelam que o Brasil ocupa o 6º lugar no ranking das maiores economias do mundo e no ano passado o ministro da fazenda, Guido Mantega já deu o grito e disse que ocupará a 5ª posição antes de 2015. Na fila, o país fica atrás de Estados Unidos, China, Japão, Alemanha e França.

O americano se tornou um dos mais perspicazes observadores do país e o argumento de que comprova os seus estudos é que ele fez questão de viajar para conferir os temas de suas pesquisas. Vamos lá.... De acordo com Gall, o Brasil está crescendo em ritmo tão lento quanto o de economias fortemente impactadas pela crise financeira mundial. O povo vive incentivado exageradamente ao consumo, no país tem pouco investimento, produtividade estagnada e um pesado endividamento por parte das famílias que estão com maior parte de sua renda comprometida com empréstimos. Ele ressalta ainda que o governo continua criando formas de incentivá-las ainda mais ao gasto, quando deveria promover a poupança e mais investimentos.

Recentemente a presidente Dilma Rousseff lançou um pacote de medidas para tentar solucionar os problemas de infraestrutura no país. Norman Gall critica a atuação do governo federal e diz que Dilma mudou muito algumas regras. Para ele o governo está tomando medidas que exacerbam o controle estatal sem melhorar a gestão e ainda alfineta que “um país onde as empreiteiras projetam e propõem as obras que devem ser feitas para depois administrá-las tem sem dúvida um problema sério”. Sr. Norman, o que fazer para resolver o problema? Ele responde: É preciso construir uma agenda de consenso ouvindo gente de todas as matizes, para chegar a uma lista de providências básicas.

E os discursos de Dilma? Presidente quer mais investimentos para o país.... Vamos ampliar a competitividade da nossa economia.... Dilma quer transformar o Brasil em país da classe média... Estamos com problemas? Ainda não sei responder, talvez seja necessário não acreditar em apenas o que é mostrado pela imprensa e estudar os números...

*O americano Norman Gall concedeu entrevista a revista Veja - edição 2.295

Comentários

  1. Sun Tzu disse que "o aparente caos é resultado da boa ordem", sem dúvidas que o mestre da tática heráldica sabia bem o que estava falando. No entanto, economistas e cientistas políticos entram em consenso quando dizem que o inverso também é possivel, ou seja, a aparente ordem é resultado de um caos orquestrado. Sem querer ser paranoico ou conspiracionista, creio que nossa presidente e boa parcela dos conglomerados corporativos brasileiros sabem o que estão fazendo.
    Calamidade é o que querem, ao contrário medidas "simples" seriam tomadas todos os dias.

    Tô adorando seu blog, Rosiane! ^^

    Vi
    www.bardodataverna.blogspot.com
    Facebook

    ResponderExcluir
  2. Oi minha querida amiga Rosiane.
    A situação do nosso país é lastimável, infelizmente.
    É de admirar como o país ainda consegue se manter.
    Bilhões para copa do mundo, nada para a educação e saúde.
    Daqui a pouco serão bilhões para 2016, nem terminamos de pagar a de 2014.Ou seja, em 2020 talvez a coisas comecem a melhorar.
    Aparente ordem que esconde um falso progresso.
    Nossa, estou pessimista por demais.
    Obrigado pela visita.
    Volte sempre.

    ResponderExcluir
  3. Se pararmos para pensar muito, ficamos revoltados.

    Linda a postagem, adorei. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Belo texto..leva a reflexão como vai a situação do nosso país. Abraços. Sandra

    ResponderExcluir
  5. Realmente, as pessoas estão simplesmente tendo mais. Mas educação que é bom nada. Continuamos um país com uma burocracia pesada, difícil de se trabalhar e as pessoas com o mesmo nível de instrução.
    Como dizia o Japonês Akio Morita: Eu acho um país desenvolvido aquele que é capaz de sair das cinzas, nós Japoneses somos coletivistas, consumismo descontrolado não leva a nada. Qualquer pode ocorrer ao Japão e nos sempre sairemos das cinzas.

    Acho que isso só se consegue com educação.

    Bom texto, vou ler mais a respeito desse rapaz.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Carmen Steffens apresenta linha de chinelos

Kim Kardashian na capa da ‘Harper’s Bazaar’

SP Fashion Week N44: Osklen

Sandálias da Ipanema ganham novas cores

Conheça os danos da maquiagem vencida