Na boca do povo!



Toda a sociedade está mobilizada contra a alta do preço do tomate. O alimento praticamente virou artigo de luxo na mesa dos brasileiros. Mesmo que por meio de piadinhas e comentários irônicos o povo se entrega e afirma que abrir mão do alimento nas refeições diárias não está sendo fácil. Para quem não se lembra na década de 70, o produto que teve grande alta foi o chuchu. Mesmo com preferência diferenciada pelo alimento em relação ao tomate, a população sentiu a diferença de preço. O ex-ministro da Fazenda Mário Henrique Simonsen, declarou guerra ao chuchu quando o preço do alimento começou a subir descontroladamente e chegou a culpar o insosso legume pela inflação que atormentava o país. 

Desde o segundo semestre de 2012 o preço do tomate brasileiro tem se mantido em níveis altos e a questão ganhou proporção maior após a tradicional cantina paulistana Nello's anunciar no Facebook que passaria a banir o item do cardápio enquanto os preços não voltassem ao normal.  Nas redes sociais, já estão comprando tomate e dividindo em quatro vezes no cartão e ainda abrindo mão do vinagrete porque pode ser comparado ao preço do quilo da carne de primeira. Como toda brincadeira tem seu fundo de verdade, fazer feira está mais caro em 2013 do que em 2012, mostra pesquisa do Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas (IBRE/FGV). 

Estudos mostram que em 2010 e 2011 o produtor de tomate não teve um bom retorno com o alimento e o reflexo foi à redução da área plantada, que contribuiu para a elevação do preço no início de 2013. Para o economista do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), André Braz, o preço do tomate, que sofreu aumento de 150% nos últimos 12 meses deve começar a cair em abril. Braz disse que por causa de outros fatores, como o aumento do custo da mão de obra e do diesel, o consumidor ainda vai encontrar o produto com preços elevados, mas perceberá uma queda em relação aos registrados entre janeiro e março.  Apesar de o país ter a expectativa de colher neste ano uma safra recorde de 185 milhões de toneladas de grãos, os preços dos alimentos - liderados pelo tomate - foram o principal foco de pressão inflacionária nos últimos 12 meses. 

Devido ao cultivo delicado e trabalhoso do fruto, o preço do tomate nunca foi dos mais estáveis. A situação ganha contornos alarmantes quando o preço do quilo do tomate ultrapassa valores praticados no exterior. Na Europa e nos Estados Unidos, onde a moeda é mais valorizada e a produção, menor, paga-se menos pelo produto. Enquanto o preço não cai, a dica é substituir o tomate por outro alimento de mesmo valor nutricional. O grande trunfo do tomate é um antioxidante chamado licopeno. A ingestão dessa substância é importante porque ajuda a prevenir a liberação dos radicais livres, moléculas que levam ao envelhecimento e ao desenvolvimento de doenças. Mas os alimentos com cores do amarelo ao vermelho, como a cenoura e a abóbora, podem substituí-lo. Entre as opções mais comuns estão cenoura, abóbora, melancia, caqui e goiaba. O ideal é que o consumo desses alimentos, assim como o de tomate, seja de 100 gramas diárias. Se você realmente não consegue ficar sem o produto a dica é reduzir a quantidade de tomate nos pratos, sabemos que o alimento é insubstituível, mas na alta do preço sempre é bom aderir ao plano B. 

Comentários

  1. Olha a cor do tomate e da Dilma.
    É o país que está tudo bem: sem inflação, educação 100%, saúde de primeira, políticos comprometidos com os interesses do povo,salários que não são mínimos, etc.
    Estava esquecendo é o país da copa.
    E viva o tomate.
    Viva a Dilminha.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Rosiane, bastante informativa e irônica a sua postagem, kkk!
    Gostei muito, mas já me acostumei com esses tumultos comerciais. Daqui a uma semana, ninguém mais se lembra disso e por enquanto é só não comer tomate. Quem pode reclamar se diminuir a produção do vermelhinho é a indústria de agrotóxicos, né?
    bjs
    Manoel

    ResponderExcluir
  3. Aí otro dia eu cumprei os tumate na fera tava um real e sinquenta. Agora aqueles que é bagacera no finau da fera que é a ora da chelpa tá vendendo a qualtro reais! Pô! É um robo! Aí eu naum intendo porque os caqi, que é igualzinho, tá um reais. Pô, esprica isso! Ainda tem a vantage que os caqi é doce e o tumate é seim gosto, não é ou não é? Aí, esse paiz tá de cabeça pra baicho. Eu tô sem comê macarrão ao sugo faiz um meis. Dilma eu naum vo te relegê!
    Bjocas

    ResponderExcluir
  4. E por falar em tomate... estou vermelha com esse preço absurdo, rsrs. Muito legal, interessante seu post. Vim e adorei seu blog, vou ficando por aqui, pra voltar. Saudações desde meu "Coração de fera"

    ResponderExcluir
  5. No Brasil tudo vira piada, o brasileiro é bem humorado.
    Mas o preço do Tomate estava um absurdo.
    Muito legal seu blog, estou segundi e acompanhando !

    Abraços
    Caio

    http://jonathanejonathan.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Amiga, o Brasil não está livre do fantasma da inflação. Infelizmente sobrou para o tomate o prenúncio. Vamos de abóbora enquanto isso! :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Carmen Steffens apresenta linha de chinelos

Lana Del Rey na capa da ‘V Magazine’

Produtos infantis inspirados em Dory

Adidas lança filme inspirado em obras famosas

Super Bonder no esmalte faz unhas durarem mais