A voz do povo


O coro de vaias intimidou a presidente Dilma Rousseff na abertura da Copa das Confederações. Os torcedores reduziram o pronunciamento dela a uma breve declaração de abertura do torneio. O acontecimento se propagou tanto, que sem exagero foi mais comentado do que a vitória da seleção contra os japoneses na estreia. Um alerta para a presidente? Comprar tomate a R$ 10 o quilo “doeu” no bolso dos brasileiros. E com certeza o dia de domingo foi propício para a presidente refletir de que deveria ter ficado em casa. Aliás, o fato já aconteceu antes. A pouco, a visita de Dilma a Campo Grande para entrega de 300 ônibus escolares foi também marcada por um coro de vaias de produtores rurais. Só que muita gente nem ficou sabendo, apenas conversa de bastidores para a imprensa. Para ela, dia que ficou bem marcado, afinal a primeira vaia ninguém esquece.

As coisas mudaram para a campeã de popularidade. Assunto para as maiores revistas do país que são pagas para bater e outras para defender o governo. Só que, quando se trata de manifestação popular, não há imprensa que dirija os fatos, pois, a “voz do povo e a voz de Deus”. O povo costuma dar confiança a um político de acordo com a economia do país e a inflação se tornou uma das principais vilãs deste ano. Os preços elevados reduzem o poder de consumo da população. Mesmo assim o ministro da Fazenda, Guido Mantega, continua dizendo que a inflação “está sob controle”. E as propagandas da oposição reforçam o esforço da “dona de casa” com o carrinho de compras ao supermercado.

O Instituto Datafolha divulgou recentemente pesquisa mostrando que a avaliação do governo piorou em três meses, caiu de 65% para 57%. Mas a vantagem de Dilma Rousseff no cenário eleitoral de 2014 ainda não é incontestável, além de ampla vantagem na intenção de voto. Desde que assumiu o poder, a presidente que é graduada em economia não conseguiu um crescimento robusto e são estas incertezas na economia que dificulta o convencimento do eleitor para com mais quatro anos de governo. As especulações para as próximas eleições já chegaram. O que se fala por ai é que na eleição de 2014, Dilma terá três adversários competitivos: o senador Aécio Neves (PSDB), o favorito para levar os dois maiores colégios eleitorais do país, Minas Gerais e São Paulo; Eduardo Campos (PSB), governador de Pernambuco e tem potencial para tirar votos da petista no Nordeste e Marina Silva (Rede) com a sua popularidade em grandes centros urbanos. O tempo é curto, a presidente precisa trabalhar!

Comentários

  1. Gracias por la información sobre Dilma Rousseff. Aquí en Costa Rica no se informa.

    Rosiane: qué lindo rostro tienes.

    ResponderExcluir
  2. Os discursos precisam ser verdadeiros. O povo não aguenta mais emendas. A ideologia está quebrada e os brasileiros não sabem mais em que acreditar. Pior que mudar governo é encarar essa triste realidade; viver sob uma instituição não representativa. Os dirigentes precisam ser inteligentes. Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Ae, garolta a sintuação autual no Brazil pressisa ser analizada com calma. Primero é uma crise mudial, a gente não tamos sozinhos nessa. O brasilero naum passa nem dez purcento do que a Gressia o a Ispanha passa. Se passassi, pelo que eu vejo na tevelisão, a gente já tínhamos uma revolução no paiz. Sengundo, vahiar é um ato pobre, iculto, densordero, disclacificante. Tercero, meu pai sepre dizia que quato mais banguça, pior. O que tamos veno na telvê é baguça. Olha a iformação tá errada, Aércilo teim um idicem de regeição inorme em Saum Paulo. E Eduardo Capos nãum ganha da Dilza nem no nordestes.

    ResponderExcluir
  4. Como dicen, la voz del pueblo es la voz de Dios.
    Nos leemos.

    Beijos ;-)

    ResponderExcluir
  5. Oi, Rosi.

    O povo não poupa mais demagogia e inércia política.

    Abs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Carmen Steffens apresenta linha de chinelos

Time de peso divulga Morena Rosa

Kim Kardashian na capa da ‘Harper’s Bazaar’

SP Fashion Week N44: Osklen

Gig Couture lança parceria com a C&A