Milhares de árvores para o topo do ranking


No Dia Mundial do Meio Ambiente, especialistas, pesquisadores, organizações e demais defensores do verde chamam a atenção para como afetamos a natureza. Como está sendo dito esta semana pelas entidades de preservação é necessário que haja intensificação das ações para conseguirmos índices positivos quanto à maior preservação. Ao mesmo tempo em que existem pessoas com intuito de cobrar implementação de uma série de medidas, falta conscientização e mais força de vontade para muitas delas entrarem em prática. A ONU chama atenção para o desperdício de comida e sugere que pessoas comam alimentos com menor impacto ambiental, como os orgânicos, que não usam substâncias químicas em sua produção. É importante também procurar produtos locais, que não causam grandes emissões em seu transporte. Por meio destas possibilidades notamos que para fazer algo nem sempre exige tanto esforço como algumas pessoas imaginam. Para muitas delas quando o assunto meio ambiente é citado já se referem como competência de ambientalistas e pessoas habilitadas para tratar do assunto.

Este ano a luta contra o desperdício ganhou o topo da agenda ambiental internacional e o mercado brasileiro ocupa o quarto lugar no ranking mundial de construções sustentáveis. Todos sabem o elevado crescimento da construção civil em nosso país e estes empreendimentos são feitos a partir de critérios ambientalmente adequados. Para alcançar esse status é levada em consideração uma série de pré-requisitos e medidas, como a redução do consumo de energia e a prioridade às condições de luminosidade natural e de lâmpadas de baixo consumo, além do uso de aparelhos eletrodomésticos mais econômicos. O Ministério do Meio Ambiente disponibiliza cursos pela internet sobre procedimentos que podem ser adotados para adequar prédios públicos a esses sistemas de sustentabilidade.

O Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, no Palácio do Planalto foi marcado pelo otimismo. A taxa de desmatamento da Amazônia caiu 84% em relação ao índice registrado em 2004, ano em que o governo lançou o primeiro programa de redução desse crime ambiental na região. O resultado do desmatamento apresentado em novembro do ano passado já foi o menor desde que a região começou a ser monitorada pelo governo, em 1988, e agora foi melhorado. O Brasil vem sendo destacado por autoridades internacionais em diversas conferências por se aproximar do cumprimento de compromissos voluntários de redução de emissões dos gases de efeito estufa (GEEs). Mas não podemos esquecer-nos de alguns problemas: o etanol chegou a superar a gasolina no período de estímulo às vendas de carros flex, mas recuou, temos uma forte entrada de [energia] eólica e hidrelétricas, mas as hidrelétricas ainda precisam ser complementadas por termelétricas e ainda levantamento recente de pesquisas que aponta o aumento do desmatamento na Mata Atlântica, 29% de 2011 para 2012. Em meio a um grande número de boas estatísticas, as ruins continuam a sobressair, o que faz necessário a mobilização de um maior número de pessoas e consequentemente uma maior plantação de "árvores", melhor ainda se for as de bons frutos.

Comentários

  1. As charges estão ótimas. O desmatamento precisa zerar. Redução não é o fim, mas uma soma que resulta em muitas árvores no chão. Gostei de ver como você está engajada na luta! Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito dos seus artigos....textos que são uma provocação que leva à refletir....abraços

    ResponderExcluir
  3. Amigas y amigos del mundo bloguero, tengo el ofrecimiento de parte de una empresa de publicidad para auspiciar mi blog. No estoy seguro de querer hacerlo. Sin embargo, para eso, debo conseguir mil seguidores. Por ahora, he decidido llegar a esos mil seguidores y quisiera contar con ayuda bloguera de ustedes, que se apunten en mi blog como tales. Dado este paso, decidiré si le doy espacio o no a la publicidad (¿qué les parece?). A quienes decidan ayudarme y apuntarse de seguidores o seguidoras en mi blog, de antemano… ¡MUCHAS GRACIAS!

    ResponderExcluir
  4. Ae eu naum sei garolta eu acho que o densmaltamento é so uma parte piquena de um grande cotesto. Tipo o home foi albalado em suas istrutura coportalmentau, tipo o insino, as lei, a morau, tudo foi dranstincamente atacado por correntes pur grupos a queim intereça a quebra dos paradingmais, intão o home esta a deuriva, ae a queistaum do dismataumente é só mais um fatô. A gente podemos esperar algo couenrente de homes que deixa minores assassiná pais di famílias impunelmente in nome di um palrandigmais que esses homes istabeleceu, di que u menó faiz o que que e di que tudo mundo deve fazê o qui qué?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Carmen Steffens apresenta linha de chinelos

Farm lança coleção com pegada oriental

Casa de Criadores: Alex Kazuo (outono-inverno 2017)

Gig Couture lança parceria com a C&A

As novas calças customizadas da Levi´s