“Eu não mereço ser estuprada”

Indignação! Esse é o sentimento das mulheres que tiveram acesso à pesquisa divulgada na semana passada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Ela apontou que 58,5% dos entrevistados concordaram totalmente ou parcialmente com a frase: "Se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros".  Em análise a afirmação, pesquisadores explicaram que em maioria, os entrevistados concordam que se os homens não controlam seus apetites sexuais é porque as mulheres os provocam. Ainda, para 42,7% dos opinadores, “Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”.

Valesca Popozuda; Daniela Mercury e sua mulher Malu Verçosa também protestaram
Daniel Cerqueira, coordenador da pesquisa, diz que a principal conclusão é que a sociedade brasileira está impregnada pela cultura machista. O resultado teve repercussão nacional.  A novela “Em Família” criticou o pensamento machista e orientou as mulheres sobre a importância da denúncia. A campanha “Eu não mereço ser estuprada” foi organizada na internet pela jornalista Nana Queiroz, que mesmo sendo elogiada pela iniciativa recebeu ofensas e ameaças. A idealizadora explicou que as mensagens são agressivas e até defendem a prática do estupro, por isso, decidiu dar queixa na Delegacia da Mulher. Neste domingo, o Fantástico entrou na campanha e encerrou o programa com muitas manifestações. 

Na semana passada, a atriz norte-americana Angelina Jolie se emocionou ao participar na Bósnia em campanha contra estupro de guerra. Jolie estava acompanhada de William Hague, Secretário de Relações Exteriores Britânicos e afirmou que não pode haver nenhuma paz enquanto as mulheres em zonas de conflito ou de pós-conflito forem estupradas com impunidade. Em 2014, a Corte Superior de Nova Delhi, na Índia, confirmou a pena de morte para quatro homens condenados pelo estupro coletivo de uma estudante de 23 anos, em um ônibus, em dezembro de 2012. A Corte ressaltou ainda que o crime motivou protestos no país contra crimes sexuais contra mulheres, mas se encaixa na "mais rara das raras" situações em que se permite a pena de morte. No Brasil a campanha já mobilizou milhares de pessoas e o que se espera é que as mulheres não deixem de prestar queixa a polícia, para que se dê um basta à violência sexual.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carmen Steffens apresenta linha de chinelos

Lana Del Rey na capa da ‘V Magazine’

Super Bonder no esmalte faz unhas durarem mais

Produtos infantis inspirados em Dory

Adidas lança filme inspirado em obras famosas